Mackenzie é melhor Universidade da cidade de São Paulo

Pesquisa da Folha de S.Paulo avaliou melhores marcas e serviços na visão dos paulistanos

30.04.202110h00 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

Mackenzie é melhor Universidade da cidade de São Paulo

A Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) foi reconhecida como a universidade privada mais admirada pelos paulistanos no levantamento O melhor de São Paulo Marcas & Serviços 2021, realizado pela Folha de S.Paulo. O estudo, feito no início deste ano, revelou os melhores serviços e marcas da cidade de São Paulo na percepção dos consumidores em tempos de pandemia.

Desenvolvido e coordenado pelo Instituto Datafolha, a pesquisa identifica a percepção da população paulistana em relação aos principais serviços da cidade. De acordo com informações da própria Folha de S.Paulo, essa é a primeira pesquisa sobre percepção de marcas e serviços dentro do contexto de um ano da pandemia, sendo um raio-x dos melhores na opinião de quem consome.

Num ano em que a UPM comemora seus 69 anos do reconhecimento como Universidade e o Mackenzie como um todo celebra seus 150 anos de história, o reitor da UPM, professor Marco Tullio de Castro Vasconcelos, resume em duas palavras os motivos de mais essa conquista: comprometimento e acolhimento.

Ele destaca que a pesquisa levou em conta, justamente, a percepção dos consumidores durante a pandemia. Isso significa que, mesmo em um período tão delicado e turbulento, foi mantido o empenho e o compromisso com a causa da educação, assegurando a continuidade das atividades acadêmicas em nível de excelência.

“Estamos empenhados em manter a qualidade daquilo que fazemos, em especial as atividades de ensino e de pesquisa, sem esquecer do acolhimento aos nossos alunos e professores, tranquilizando-os, esclarecendo suas dúvidas. A Universidade permanece firme e serena, observando todas as diretrizes das autoridades competentes acerca da condução das atividades durante a pandemia, zelando pela educação e trabalhando para que, no futuro, possamos vivenciar um cenário melhor”, adiciona Vasconcelos.

O presidente do Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM), José Inácio Ramos, lembra que a pandemia trouxe enormes impactos à operação do ensino em todo o mundo, no Brasil e também na UPM. “Novas plataformas de ensino remoto foram apressadamente adaptadas ao novo momento e isso sem perdermos a qualidade da nossa sempre bem reconhecida forma de ensinar”, diz Ramos.

“O Mackenzie inova há 150 anos em todas as suas frentes de ensino – da educação infantil à pós-graduação. O reconhecimento da comunidade vindo agora, com mais esse levantamento da Folha de S.Paulo, nos estimula e anima a manter o foco, certos de que estamos em bom caminho”, complementa o presidente.

Já o chanceler do Mackenzie, reverendo Robinson Grangeiro Monteiro, ressalta o aspecto confessional da Instituição e sua atuação ao longo do tempo. “Entendo que a graça de Deus tem sido sobre o Mackenzie ao longo desses 150 anos e, certamente, Ele não nos faltaria em meio à pandemia da Covid-19”.

O reverendo pontua, ainda que é preciso ressaltar o valor dos educadores mackenzistas, que responderam com grande disposição e compromisso com os processos de transição para plataformas digitais, quando foi impossível o ensino presencial costumeiro. “O foco foi oferecer ao aluno o melhor serviço, dentro das limitações da situação inesperada e diante das idas e vindas das medidas de contenção da pandemia”, acrescenta.

Ramos corrobora e reforça que o IPM, instituição mantenedora, bem como sua mantida, a UPM, seguem trabalhando com afinco para demonstrar aos alunos, seus pais e responsáveis que a programação acadêmica sofreu alterações na logística mas não no conteúdo das matérias.

“Nossos professores continuam engajados na ministração das matérias e o IPM tem se esforçado para não deixar que nada falte à UPM durante esse quadro de pandemia”, sublinha o presidente.

Gratidão

Aproveitando a ocasião da pesquisa, o reitor da UPM assinalou que, apesar das dificuldades enfrentadas tão logo assumiu a gestão da Universidade, este é um momento de gratidão por diversos motivos.

“Nunca estive sozinho. Temos uma equipe de alta performance e o apoio inconteste da nossa mantenedora, o IPM. Assim, a UPM é local de colaboração e compartilhamento, de trabalho árduo, onde se encontra um espírito solidário que permite que muitas barreiras possam ser transpostas”, afirma Vasconcelos, que também agradece a Deus.

“Os grandes desafios nos ajudaram a fortalecer a nossa fé. A Bíblia diz que não enfrentaremos provações maiores do que as que podemos suportar. Por isso, sei que foi bom passar pelas dificuldades e que passaremos por outras também”, inclui o reitor.

O chanceler concorda e destaca que atitudes e decisões decorrem, em sua dimensão mais fundamental, daquilo que se crê e da maneira como se vê a realidade, pelo filtro dos valores e princípios pessoais e institucionais. “Assim sendo, a confiança em Deus, o compromisso com a missão de educar e cuidar do ser humano criado à imagem de Deus para o exercício pleno da cidadania em ambiente de fé cristã reformada têm feito diferença na coragem em enfrentar os desafios do passado e mais uma vez, no presente”, diz o reverendo.

Relembrando a história, Monteiro conta que foi assim quando o Mackenzie abriu as portas para abrigar pessoas doentes pela chamada gripe espanhola nos anos de 1918/1919, e agora, diante da Covid-19, nos nossos hospitais em Curitiba (PR) e Dourados (MS), mas também na UPM, Faculdades e Colégios Mackenzie em todo o país.

“De modo especial, a UPM, por ser a maior mantida do IPM, o desafio se revelou ainda maior, porém, quanto maior for o obstáculo maior é a nossa confiança e dependência de Deus. Ele não nos dá provações, sem que tenhamos a resiliência e sabedoria de enfrentar”, pondera o chanceler.

Trabalho contínuo e reconhecimento mackenzista

O presidente do IPM reafirma o compromisso da mantenedora em dar todas as condições às mantidas para que continuem oferecendo ensino de qualidade. No caso da Universidade, ele pontua: “campi modernos e atraentes, com todas as comodidades próprias de um ambiente estudantil, tecnologia de ponta nos laboratórios, reconhecimento da comunidade científica aos nossos projetos e a certeza de que, sob a orientação de Deus, estamos trilhando juntos os caminhos certos, superando desafios”.

Também aos alunos, colaboradores e professores, o chanceler parabeniza e diz que “devem se sentir honrados em fazer parte dessa conquista”. Ele pontua que ao longo dos 150 anos do Mackenzie, as vitórias mais significativas foram conquistadas por milhares de colaboradores anônimos.

“Pessoas que têm feito as grandes histórias no Mackenzie, porque é assim que Deus sempre faz. A multiplicação miraculosa dos pães e peixes feita por Jesus foi possível porque um anônimo lhe entregou cinco pães e dois peixinhos”, coloca ele.

O reverendo lembra que grandes conquistas exigem ainda maiores esforços. “A sociedade está em contínua efervescência de mudanças e o Mackenzie precisa se antecipar e preparar-se para novos tempos. Que estejamos dispostos a fazer mais do mesmo, que nos trouxe até aqui, mas também a fazer mais do que o mesmo para chegarmos ao futuro com o sucesso que a história sesquicentenária comprova”.

O professor Vasconcelos também se dirige aos mackenzistas quando expressa um "muito obrigado" emocionado. Ele agradece por manterem a confiança na instituição e por apoiarem-na todos os dias.

“Um reconhecimento dessa natureza é fruto de uma trajetória, da participação de muitas pessoas que deram valiosas contribuições. A UPM é composta por pessoas. São elas que nos dão vida, que nos animam, que nos cobram, que fazem com que a Universidade seja o que é. Aos professores e funcionários, o nosso respeito. Aos nossos alunos, nosso carinho e estima. Meu agradecimento a toda comunidade mackenzista!”, encerra o reitor.

Sobre a pesquisa

O foco do estudo foi a qualidade e excelência em serviços na cidade de São Paulo em 40 categorias de acordo com os consumidores das classes A e B com 16 anos ou mais. As entrevistas foram realizadas entre 01 a 08 de fevereiro de 2021, praticamente um ano depois do início da pandemia. Foram feitas 1.023 entrevistas, com cotas de sexo e idade.

A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. Dentre os fatores de importância avaliados na pesquisa estavam: atendimento, localização, preço, propaganda, qualidade dos serviços.