Uma crítica austríaca à Teoria Quantitativa da Moeda

Professor-visitante do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica, Cris Lingle, critica as bases teóricas da política monetária.

13.08.201912h10 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

Um pressuposto essencial para a condução de uma política monetária efetiva é que a função demanda por moeda indica a capacidade de uma economia ajustar-se às mudanças na oferta de moeda. Um elemento importante desta análise envolve a forma como as famílias e as empresas ajustam as suas carteiras de ativos. Estas carteiras incluem instrumentos monetários (por exemplo, dinheiro), bens reais (ou seja,estoques de insumos ou bens domésticos) e instrumentos financeiros que pagam juros (por exemplo, títulos de dívida).

Acontece que a maior parte do pensamento sobre a demanda por dinheiro surgiu durante os períodos em que o regime monetário foi baseado em um padrão real (moeda-mercadoria). Neste contexto, as mudanças na demanda por moeda iriam injetá-la ou removê-la da circulação e desencadear respostas na economia real, nível de preços ou taxa de câmbio.

Como era, as limitações na oferta de moeda (por exemplo, ouro) foram a principal razão para que a mudança da demanda por moeda fosse vista de modo tão procedente. Por sua parte, a teoria monetária clássica fora desenvolvida para examinar um regime monetário diferente do que existe hoje.

Uma vez que a moderna Teoria Quantitativa da Moeda orienta a maioria das opções de política monetária, é preciso perguntar se ele pode tratar das condições atuais de um regime global de moeda fiduciária.

Como é, um aspecto essencial do conceito de moeda foi de padrão de pagamento, a quantidade que circulava poderia ser convertida de volta em uma mercadoria, de modo que os débitos fossem extintos. Como o devedor sai do laço da dívida, a dívida em si não existe mais.

O regime global de moeda fiduciária de hoje envolve uma oferta infinitamente elástica de instrumentos não resgatáveis. Como tal, as dívidas são criadas por bancos centrais na forma de instrumentos fiduciários e meramente embaralhadas e postos em circulação. Indivíduos ou empresas ou comércio podem usar moeda fiduciária para pagar suas dívidas, mas eles permanecem, apoiado apenas por outros pedaços de papel, geralmente dívida do setor público.

Um sistema que utiliza instrumentos de dívida para criar e pagar dívidas não vai e não pode extinguir dívidas. Para que a teoria monetária seja completa, ela deve se concentrar em como o sistema lida com (extingue) a dívida. O deslocamento da dívida dentro de uma economia ou de um ator econômico para outro é meramente um aspecto do que a teoria monetária deveria tratar.

A tendência inerente da moeda fiduciária para causar perdas persistentes no poder de compra reduz o incentivo para manter o dinheiro fora do sistema. Como tal, a noção de "retenção" (preferência por liquidez ou entesouramento) não tem sentido no sentido convencional (keynesiano) do termo.

Moeda fiduciária não resgatável não tem as mesmas propriedades que a moeda-mercadoria (por exemplo, ouro) outrora tinha. Em primeiro lugar, há uma tendência para a dívida total em um sistema de moeda não resgatável para continuar a crescer. Como tal, os devedores tornar-se-ão cada vez mais limitados e obrigados a executar seus passivos. Isso exige que eles tentem reter saldos de caixa maiores para que possam cumprir suas obrigações de dívida, mesmo que a liquidez do mercado se exaura.

A proposição geral explorada aqui é se a ausência de limites impostos pelas normas de uma moeda-mercadoria exige uma reformulação da teoria monetária e da prática do banco central. De particular interesse é saber se a demanda por moeda ou a velocidade de circulação que sustenta a teoria monetária e grande parte da teoria macroeconômica são relevantes dentro de um regime de moeda fiduciária global.

Na medida em que a Teoria Quantitativa da Moeda é a base de escolhas de política monetárias simplistas, isto pode ser visto como a principal fonte de instabilidade macroeconômica. Como tal, os banqueiros centrais continuarão a desestabilizar as condições financeiras ou econômicas até que abandonem esse modelo falido.

Christopher LINGLE

Escuela de Negocios

Universidad Francisco Marroquín

CLingle@ufm.edu

Professor-visitante do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica

Financiado com recursos do Fundo Mackenzie de Pesquisa (Mackpesquisa)