Produção Científica

Acesse a Plataforma Sucupira CAPES para conferir a Produção Intelectual do Programa.

Acesse a area do PPGA no ReseachGate.

• MOTA, Carlos Guilherme. Da 'pré-história' à História. Os anos 1986-88. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 88, p. 1-20, 2016.

• ZEIN, R. V.. Artigas Pop-Cult: considerações sobre a cabana primitiva, a casa pátio e quatro colunas de madeira. In: COMAS, C.E.D; PEIXOTO, M.; MARQUES, S.M.. (Org.). Madeira Primitivismo e Tecnologia na Arquitetura do Cone Sul-Americano. 1ed.Porto Alegre: UniRitter, 2016, v. 1, p. 69-81.

• MOTA, Carlos Guilherme; LOPEZ, Adriana . História do Brasil. Uma interpretação. 5. ed. São Paulo: Editora 34, 2016. v. 1. 1131p .

• ALVIM, Angélica Benatti; BOGUS, L. M. M. . São Paulo. Limites e possibilidades de uma cidade inteligente.. In: Lucia Santaella. (Org.). Cidades Inteligentes. Por que e para quem?. 1ed.São Paulo: Estação Letras e Cores, 2016, v. unico, p. 126-145.

• ALVIM, Angélica Tanus Benatti; KATO, Volia Regina Costa ; ROSIN, J. A. R. G. . A urgência das águas: intervenções urbanas em áreas de mananciais. Cadernos Metrópole, v. 17, p. 83-107, 2015.

• VILLAC, M. I.. 'O projeto de identidade entre ideia e desenho. Intencionalidade tectônica e poética do discurso em Paulo Mendes da Rocha'. Arquitextos (São Paulo), v. 181, p. 01-13, 2015.

• CAMPOS, Candido Malta. Urbanismo e antiurbanismo no debate nacional. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 29, p. 1-20, 2015.

• MOTA, Carlos Guilherme; LOPEZ, Adriana . História do Brasil: Uma interpretação. 4. ed. São Paulo: Editora 34, 2015. v. 1. 1133p .

• SIMÕES JUNIOR, J. G.. Lucio Costa e a síntese entre a tradição e o moderno: o texto. In: CANEZ, Anna Paula; BRITO, Samuel. (Org.). Sobre a Obra de Lucio Costa; textos selecionados. 1ed.Porto Alegre: Uniritter, 2015, v. 1, p. 255-278.

• ABASCAL, E. H. S.BILBAO,. C. A. . Arquitetura e ciência: Direito, urbanismo e cidadania. Arquitextos (São Paulo), v. 05, p. 1-10, 2014.

• GUERRA, Abilio. Sobre as propriedades sutis do éter. O partido arquitetônico e as ideias fortes que habitam um projeto de arquitetura segundo Mario Biselli. Resenhas Online, v. 13, p. 3-3, 2014.


• GUERRA, Abilio. Universidade e crítica de arquitetura no Brasil. Summa + (Brasil), v. 134, p. 94-99, 2014.

• ZEIN, R. V.. Brutalist Connections: what it stands for. 1. ed. São Paulo: Altamira Editorial, 2014. v. 1. 38p .


• PERRONE, R. A. C.; VARGAS, H. C. . Introdução. In: Perrone, Rafael Antonio Cunha; Vargas, Heliana Comin. (Org.). Fundamentos de Projeto: Arquitetura e Urbanismo. 1ªed.São Paulo: EDUSP- Editora da Universidade de São paulo, 2014, v. único, p. 9-15.

• ABASCAL, E. H. S.CYMROT, R. ; KATO, V. R. . Transformações da área-alvo da Operação Urbana Vila Leopoldina-Jaguaré pelo mercado imobiliário: a verticalização residencial como motor de desenvolvimento urbano. EURE (Santiago. En línea), v. 39, p. 75-99, 2013.

• ZEIN, R. V.BASTOS, M. A. J. . La persistencia concreta de la modernidad. In: Diego Oleas Serrano. (Org.). Arquitectura en Latinoamérica vista desde la Historia, la Teoría y la Crítica. 1ed.Quito: CADI-Colegio de Arquiectura y Diseño Interior; USFQ - Universidad San Francisco de Quito, 2013, v. 1, p. 72-87.

• SIMÕES JUNIOR, J. G.. O ideário dos engenheiros e os planos realizados para as capitais brasileiras ao longo da Primeira República. Arquitextos (São Paulo. Online), v. 090, p. 1-11, 2007.

• SOMEKH, N.. VERTICALIZAÇÃO EM SÃO PAULO:A PRODUÇÃO DA CIDADE DIFUSA E EXCLUDENTE. In: MARINS,Paulo;ALVIM,Zuleika (org). (Org.). Os Céus como fronteira-a verticalização no Brasil. 1ed.São Paulo: GRIFO, 2013, v. 1, p. 91-131.