A Páscoa e suas lições em tempos de quarentena

Uma mensagem do Mackenzie nesta data simbólica para o cristianismo

10.04.202011h00 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

“O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando eu vir o sangue, passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora (...)” Êxodo 12:13.

A Páscoa, que será comemorada neste domingo, 12 de abril, é a data mais expressiva do cristianismo, pois é uma oportunidade para relembrar o maior de todos os sacrifícios já feitos e também a maior promessa cumprida: quando Jesus Cristo, após ter sido crucificado, não foi mais achado dentre os mortos, pois havia ressuscitado. Neste ano, mesmo em meio ao período de isolamento social, por conta do coronavírus, a data é uma oportunidade de celebração e de reflexão. Conversamos com o chanceler do Mackenzie, reverendo Robinson Grangeiro, para trazer mais informações e extrair o melhor dessa passagem.

"A mensagem da Cruz, que relembra o sacrifício de Cristo, é a maior dentre as pregadas pelo cristianismo. Todavia, antes mesmo deste fato tão precioso, a Páscoa já era celebrada pelo povo judeu, inclusive foi comemorada por Jesus e seus apóstolos, pois é uma festa que relembra a saída do povo judeu do Egito, após 400 anos de escravidão", relembra o chanceler. 

Ele explica que o termo Páscoa, inclusive, está relacionado com esta história: em hebraico, significa passagem. Isso porque a celebração também relembra a noite em que a última praga foi lançada sobre o Egito, o anjo de morte que feriu os primogênitos egípcios e marcou a libertação do povo judeu. Naquela noite, a ordem de Deus para seu povo foi que todos deveriam permanecer em seus lares, à espera do grande livramento divino, como mostra no texto bíblico em Êxodo 12:13.

“Já na última Páscoa de Jesus e seus discípulos, ele a ressignificou para torná-la símbolo de uma libertação mais ampla e espiritual. A Páscoa cristã tornou-se, assim, símbolo da redenção divina, por meio de Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”, explica Grangeiro.

Por ser uma instituição confessional, o Mackenzie enfatiza este novo significado da Páscoa, quando Cristo ordenou a celebração da nova ceia, tornando-se um meio pelo qual a graça de Deus fortalece a fé e a esperança até a ceia celestial de Jesus com seus filhos e filhas, quando Ele voltar na plenitude de seu reino. “Esta é a razão para todas as nossas unidades - colégios, faculdades, hospitais e universidade - organizarem suas celebrações, realçando a centralidade de Cristo, sem desconsiderar também a ênfase na sadia convivência familiar e fraterna ao redor da mesa”, declara o chanceler. 

Todavia, em 2020, por conta da pandemia do coronavírus, tais comemorações deverão ser adaptadas para contribuir com o cumprimento da quarentena e ajudar na redução da transmissão da covid-19. Por isso, celebrações virtuais devem ser priorizadas e não devem acontecer aglomerações, ainda que seja entre familiares. Pensando nisto, o Mackenzie disponibiliza uma mensagem especial sobre esta importante data em um vídeo sobre a Páscoa que você pode conferir em nossas redes sociais e também ao final desta matéria.

A celebração em tempos de quarentena, contudo, oferece uma oportunidade de reflexão única. “A Páscoa é tempo propício para reconhecer as injustiças de todos os tipos e a impotência humana diante de situações incontroláveis e incompreensíveis para a finitude de nossa mente. É um tempo de reflexão e quebrantamento diante do Criador, como uma forma de superar o questionamento dos porquês e buscar humildemente a reverência a Deus para se chegar aos propósitos mais importantes desta pandemia”, menciona o reverendo. 

Este momento, portanto, serve para lembrar que uma rude cruz foi erigida e o sangue de Jesus foi ali vertido. Porém, Ele não permaneceu morto, mas ressurgiu, com triunfo e Glória e o  resgate da vida foi cumprido. Mesmo com o isolamento social, a Páscoa deste ano é uma chance para aprendermos o valor da justiça, do amor de Deus e também da vida humana. 

“Esta Páscoa, marcada pelo medo e angústia, pode ser desafiada pela renovação da vida que Deus realiza em cada coração. Nada melhor do que a morte e a ressurreição do próprio Filho de Deus para demonstrar o amor e o propósito de reconduzir de volta ao Pai a tantos quantos creem no sacrifício redentor de Jesus”, conclui o reverendo.

Confira, abaixo, o vídeo especial de Páscoa que o Mackenzie preparou para você!