Regulação econômica: Quando o governo seleciona vencedores e perdedores.

26.08.202011h05 Per Bylund

Compartilhe nas Redes Sociais

Há uma grande confusão sobre o significado de crescimento econômico. Muitos parecem pensar erroneamente que está relacionado com PIB (Produto Interno Bruto) ou com a produção, mas não parece ser isso. O crescimento econômico significa a capacidade de uma economia para satisfazer as necessidades das pessoas e aumentar o seu bem-estar, sejam elas quem forem.

O PIB é uma forma bem terrível de capturar essa informação usando estatísticas (públicas) e é corrompido por aqueles que se beneficiam da corrupção de tais números. PIB não é crescimento.

Da mesma forma, ter mais coisas nas lojas não é crescimento. Produzir quantidades crescentes de coisas que ninguém está disposto a comprar é o oposto do crescimento econômico: está desperdiçando nossa capacidade produtiva (que é limitada). Mas observe a palavra "disposto". O bem-estar não diz respeito às necessidades (objetivas), mas sobre ser capaz de escapar do mal-estar sentido. Pode acabar sendo certo ou errado, mas isso não vem ao caso.

O crescimento econômico é o aumento da capacidade de satisfazer todos os desejos das pessoas, por quaisquer motivos que possam ter. Exemplos de crescimento econômico não são o mais novo iPhone 11 ou brinquedo de plástico feito na China, mas a disponibilidade de habitação de qualidade, comida e nutrição, e a capacidade de tratar doenças. Um exemplo óbvio de crescimento econômico desde os dias de Malthus é o enorme aumento em nossa capacidade de produzir alimentos. A quantidade e a qualidade aumentaram imensamente. Usamos menos recursos para satisfazer mais desejos - esse é o significado do crescimento econômico.

“Econômico” significa simplesmente economizar ou encontrar o melhor uso de recursos escassos (não apenas naturais). O crescimento econômico é, portanto, mais “economizador”. Isso significa que temos a capacidade, o que significa que podemos pagar, para satisfazer mais desejos do que apenas as necessidades básicas.

A beleza do crescimento econômico é que ele se aplica à sociedade em geral e também a todos os indivíduos: o aumento da capacidade produtiva significa mais maneiras de satisfazer as necessidades, mas também maneiras mais baratas de fazê-lo. Mas isso não significa, é claro, que a distribuição de acesso e capacidade de consumo seja igual e instantânea. Ele se espalha gradativamente e alcançará a todos.

O aumento da produtividade aumenta o poder de compra de todo o dinheiro, incluindo (e mais importante) salários baixos, tornando-o muito mais acessível para satisfazer as necessidades e desejos. Mas a distribuição de tal prosperidade não pode ser igual ou instantânea: qualquer nova inovação, novo bem, novo serviço etc., será criado em algum lugar, por alguém - não pode ser criado para 7 bilhões de pessoas instantaneamente.

Portanto, qualquer coisa nova, incluindo novos empregos e novas habilidades produtivas, deve se espalhar, como ondas, por toda a economia. Como coisas novas são criadas o tempo todo, isso significa que nunca chegaremos de fato a um ponto em que todos tenham exatamente o mesmo padrão de vida. Não pode ser de outra forma, porque o crescimento econômico, e o bem-estar que ele gera pela capacidade de satisfazer desejos, é um processo.

A igualdade perfeita só é possível por não haver crescimento: puxar o freio, não aumentar o bem-estar. Em outras palavras, não aumentar a comodidade e o padrão de vida, não descobrir como tratar doenças que de outra forma logo seríamos capazes de curar. Essas são nossas opções, não o conto de fadas do "acesso igual aos frutos do crescimento".

Isso não significa, é claro, que devemos ficar satisfeitos com as desigualdades. Significa apenas que devemos reconhecer que alguma desigualdade é inevitável se quisermos que todos desfrutem de padrões de vida mais elevados. Mas também devemos reconhecer que grande parte da desigualdade que vemos hoje não é desse tipo “natural”: é desigualdade de origem política, e não econômica. Isso vem em duas formas: herdado de privilégios desfrutados por alguns poucos indivíduos no passado, reforçado por estruturas políticas e sociais contemporâneas, e privilégios criados hoje por meio de políticas que criam vencedores (clientelismo, favoritismo, rent-seeking etc.).

Do ponto de vista do crescimento econômico como um fenômeno econômico, a desigualdade originada por políticas tem efeitos tanto na criação quanto na distribuição da prosperidade. Em primeiro lugar, a política cria vencedores (a) protegendo alguns da concorrência de novos participantes e futuros vencedores e (b) restringindo (monopolizando) o uso de novas tecnologias, apoiando, assim, os operadores existentes. Em segundo lugar, a política cria perdedores ao redistribuir valor e capacidades econômicas para aqueles que são politicamente favorecidos. Isso significa que a política tem dois efeitos principais sobre o crescimento econômico: ela limita a criação de valor e distorce sua distribuição.

Desnecessário dizer que essa desigualdade não é benéfica para a sociedade em geral, mas apenas para aqueles que são favorecidos. É a criação de vencedores por meio da criação de perdedores. Este não é o crescimento econômico, que é obtido por meio de uma melhor economia - maior capacidade de satisfazer desejos.

Em certo sentido, o favoritismo político e a desigualdade que ele causa são o oposto do crescimento econômico, uma vez que cria vencedores (ricos) às custas de outros (geralmente espalhados por uma população maior). É apenas uma redistribuição do valor já criado pela introdução de ineficiências no sistema: as capacidades produtivas não são alocadas com base na criação de bem-estar, mas com base na influência política. Com o tempo, a economia fica pior por causa disso, então o processo de crescimento econômico sofre.

É importante manter esses dois “lados” da moeda da desigualdade em mente ao discutir o problema. Simplesmente apertar o botão de parar no crescimento econômico só irá aumentar a influência da política sobre a economia. Isso dificilmente é benéfico, pelo menos não para aqueles que não são a classe política e membros do sistema corporativo. Em vez disso, uma solução seria livrar-se do privilégio criado e reforçado politicamente e permitir que os processos econômicos se reajustem à realidade: visar a produção de bem-estar em vez de favores e influência. Isso não eliminará a desigualdade como tal, mas a diminuirá significativamente e eliminará a maioria de seus efeitos nocivos. Significaria uma economia onde empresários e trabalhadores se beneficiariam com a produção de valor para terceiros. Em outras palavras, crescimento econômico e padrões de vida mais elevados.

As alternativas são bastante fáceis de entender, mas o que está comumente na agenda de especialistas e comentaristas políticos são alternativas inventadas, muitas vezes utopias ignorantes, que distorcem o significado tanto de privilégio quanto de crescimento econômico. As alternativas que temos são as indicadas acima, nada mais. Faça sua escolha. Esforçar-se para realizar contos de fadas impossíveis é perda de tempo, esforço e recursos. Não é assim que aumentamos o bem-estar e elevamos o padrão de vida. Para mim, a solução é bastante óbvia, mas a maioria das pessoas parece escolher o conto de fadas.

Autor:

Per Bylund,  é Fellow do Mises Institute e Professor Assistente de Empreendedorismo e Records-Johnston Professor de Livre Empresa na Escola de Empreendedorismo da Spears School of Business da Oklahoma State University, e um Associate Fellow do Ratio Institute em Estocolmo. Anteriormente, ele ocupou cargos na Baylor University e na University of Missouri. Dr. Bylund publicou pesquisas nas principais revistas de empreendedorismo e gestão, bem como no Quarterly Journal of Austrian Economics e na Review of Austrian Economics. Ele é o autor de dois livros completos: O Visto, o Invisível e o Não Realizado: Como os Regulamentos Afetam Nossas Vidas Diárias, e O Problema da Produção: Uma Nova Teoria da Empresa. Ele edita a série de livros de Economia Austríaca na Agenda Publishing e editou o volume A Próxima Geração de Economia Austríaca: Ensaios em Honra a Joseph T. Salerno, publicado pelo Mises Institute. Ele fundou quatro novas empresas e escreve uma coluna mensal para a revista Entrepreneur. Para obter mais informações, consulte PerBylund.com.

 

Tradução, adaptação e organização: Derick Lopes Benevides 

Estudante de Economia na Universidade Presbiteriana Mackenzie 

Bolsista no Centro Mackenzie de Liberdade Econômica 

 

Fonte: https://mises.org/power-market/economic-regulation-means-government-picks-winners-and-losers