Atualidades

Outubro Rosa: Pratique o auto-cuidado

Chances de cura do câncer de mama são maiores quando descoberto em fase inicial

09.10.201918h00 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

O mês de outubro é marcado pela divulgação de campanhas e ações de prevenção ao câncer de mama, considerado o segundo tipo da doença que mais afeta as mulheres, perdendo apenas para o câncer de pele. No Brasil, a cada ano, estima-se que são diagnosticados de 50 a 60 mil novos casos de câncer de mama.

Os sintomas que configuram a doença são: pele da mama avermelhada ou com aspecto parecido com a casca de uma laranja, alterações no bico do peito e saída espontânea de líquidos, pequenos nódulos debaixo dos braços e caroços endurecidos e indolores na região das mamas. Ao perceber estes sinais, a mulher deve procurar uma unidade de saúde para avaliação do caso. Acima dos 50 anos, qualquer caroço precisa ser investigado. 

Fatores hormonais e hereditários podem favorecer a aparição da doença. Casos de câncer de mama e ovário na família, primeira gravidez depois dos 30 anos, não ter amamentado, fazer uso de contraceptivos hormonais e reposição hormonal pós-menopausa são possíveis causas para o desenvolvimento da doença. Apesar disso, o câncer de mama não possui uma causa única.

Grande parte dos cânceres de mama são descobertos pelas próprias mulheres, mediante o auto exame. Não há necessidade de técnica específica, mas é importante que a mulher conheça seu corpo e faça o auto exame. Para mais informações de como fazer clique aqui.

Outra forma de prevenção é a mamografia, exame de imagem que deve ser feito anualmente a partir dos 45 anos. Em casos com histórico familiar, sobretudo na linha materna, é recomendado a realização do exame antes da idade estipulada. Em torno de 30% dos casos podem ser evitados com a adesão de hábitos saudáveis ao longo da vida, como a prática de atividades físicas, alimentação regulada, e até mesmo a amamentação.

Por que o mês de outubro recebe a cor rosa?

A princípio, pelo rosa ser uma cor vista como feminina. Nos anos 90, nos Estados Unidos, o uso da fitinha cor-de-rosa aconteceu pela primeira vez na Corrida pela Cura de Nova York, de 1991, e se popularizou por conta de uma empresa de cosméticos. A partir daí, tornou-se um símbolo do combate ao câncer de mama no mundo todo. Aqui no Brasil, a primeira ação foi em 2002, em São Paulo, no Parque do Ibirapuera, durante a qual o Obelisco foi iluminado com a cor rosa.