Alunos de Direito recebem Ted Lewis para palestra especial sobre Justiça Restaurativa

Aula foi preparada para debater tema no componente curricular de Ética e Cidadania 2. Adoniram Pereira Ramos, do TJDF, também conversou com os mackenzistas

25.11.201909h00 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

Alunos de Direito recebem Ted Lewis para palestra especial sobre Justiça Restaurativa

Os alunos de Direito da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília (FPMB) participaram, na terça-feira, 12 de novembro, de uma aula especial no componente curricular de Ética e Cidadania 2, ministrado pelo professor Junior Cezar da Rocha. O especialista em Justiça Restaurativa, Ted Lewis, consultor e instrutor em Justiça Restaurativa do Centro para Justiça Restaurativa e construção de Paz da Universidade de Minnesota, acompanhado do Coordenador do Centro Judiciário de Justiça Restaurativa de Planaltina/NUJURES, Adoniram Pereira Ramos, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF), apresentou um painel especial sobre “Justiça Restaurativa: a Recuperação Alternativa Bíblica da Justiça da Aliança”.

 

"Foi muito bom ter a participação do Dr. Adoniram Pereira Ramos e do Dr. Ted Lewis na aula de Ética e Cidadania II. O tema da Justiça Restaurativa é muito envolvente, ao mesmo tempo que requer dedicação e sensibilidade para a sua execução. O mais impressionante é verificar os abundantes pontos de contato entre a Justiça Restaurativa e a Escritura Sagrada, o que contribui significativamente para a confessionalidade de nossa instituição no campo do Direito”, comentou o professor.

 

A justiça restaurativa é uma abordagem não punitiva de base comunitária, utilizada para resolver danos e crimes. Envolve aqueles que estão mais envolvidos em uma determinada situação a ter conversas de empoderamento que permitem a construção de confiança, confissão, empatia, desculpas, reparação e reconciliação. Embora os princípios da justiça restaurativa estejam alinhados aos processos de resolução em muitas tradições indígenas e tribais, a prática nos tempos modernos foi semeada pelos menonitas em Ontário e depois em Indiana. O financiamento original foi amplamente baseado na igreja. Um dos primeiros vídeos sobre a reconciliação entre agressores e vítimas foi produzido pela Igreja Presbiteriana dos EUA.

 

“Há vários pontos de contato entre a bíblia e a justiça restaurativa. Entre eles estão a metanarrativa de restauração e reconciliação; a transformação de situações ruins em boas, a história como meio de revelação, o estilo convidativo e não coercitivo de Deus, a dignidade do pecador ao rejeitar o pecado e a preocupação especial com as vítimas de danos, por exemplo”, explicou Ted Lewis. “E entre as virtudes restauradoras, previstas no Salmo 85, temos integridade e justiça, paz e descanso, verdade e confiança, misericórdia e graça”, acrescentou.

 

Lewis destacou ainda a importância da dinâmica do diálogo didático entre a vítima e o infrator, considerando a experiência do ouvir e ser ouvido. A justiça restaurativa é uma técnica de solução de conflito e violência que se orienta, basicamente, pela criatividade e sensibilidade a partir da escuta dos ofensores e das vítimas. Porém, conforme pontuou o palestrante, a dissonância é um ponto forte e frequente. “Mas tem papel positivo também, porque identificando o que provoca essa dissonância, em todos os momentos das histórias relatadas, podemos identificar como criar as estratégias de ação restaurativa”, concluiu.

 

Justiça Restaurativa no Brasil

 

Atualmente, a grande problemática enfrentada pela técnica da justiça restaurativa se deve à crescente demanda por Justiça, na qual a comunidade jurídica e principalmente o Poder Judiciário do Brasil se viram obrigados a mudar suas mentalidades a fim de buscar formas alternativas de solução de conflitos, não privilegiando apenas o método tradicional de ajuizamento de processos judiciais.

 

Ao se deparar com uma crescente demanda por Justiça, principalmente após a promulgação da Constituição Federal de 1988, o Brasil partiu em busca de formas alternativas de solução dos conflitos em detrimento ao método tradicional de ajuizamento de processos judiciais. Dentro da relação processual, o fundamento jurídico da justiça restaurativa se encontra no princípio processual da efetividade social, fruto não só da nova forma de processo civil contemporâneo, mas também de todo o processo penal brasileiro vigente. 

 

Em funcionamento há cerca de dez anos no país, a prática da justiça restaurativa tem se expandido a cada dia. Tanto isso é verdade que hoje o método se trata de uma ferramenta de trabalho jurídico, judicial e extrajudicial, que é incentivada pelo Poder Judiciário brasileiro, por meio do Protocolo de Cooperação para a difusão da Justiça Restaurativa, firmado em agosto de 2014 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).