2017 - Rafael Brasilino de Souza - Direito

Prezados colegas do COI,

Venho por meio deste, conforme combinado expor como foi meu período de mobilidade frente à Universidade do Minho em Braga, Portugal. Presumindo que este depoimento poderá ajudar colegas que futuramente irão participar da Mobilidade irei expor as maiores dificuldades e suas respectivas soluções.

Logo ao chegar em Portugal, a primeira dificuldade foi deslocamento entre Porto e Braga, como não tinha conhecimento o suficiente acabei por ter que ir de Taxi o que me custou em torno de 60 Euros, sendo que existe um servi denominado "Get a bus" que faz o mesmo serviço por 8 Euros.

A cidade de Braga apresenta uma beleza exuberante com seus pontos turísticos, sendo os principais destes: Igreja Monte do Bom Jesus e Monte do Picoto. Porém obtive dificuldades ao conseguir alugar um apartamento, já que muitos pedem garantias, assim, aconselho que procurem quartos para locar via comunidades de Facebook.

A recepção feita pela Universidade do Minho é extremamente divertida e importante para integração com culturas diferentes, uma vez que grande parte dos alunos Erasmus também participam desta.

O curso de direito em si tem aulas muito produtivas, é um ótimo local para se adquirir um conhecimento que não nos é provido aqui, como por exemplo nas aulas de Economia Política, onde o enfoque nas aulas é puramente aritmético, o mesmo lecionado para os cursos de exatas. Também é importante salientar que o esquema de aulas é diferente, os professores em geral não agem com tanto zelo pelos alunos como temos em nossa instituição, torna-se algo mais como aulas expositivas onde o aluno tem que procurar por si o conhecimento acadêmico. Particularmente acredito que o ensino lecionado no Mackenzie nos impulsiona mais a adquirir mais conhecimento acadêmico.

As matérias escolhidas inicialmente foram obrigatoriamente mudadas, já que o plano que fazemos no início não leva em conta o horário em que as matérias serão lecionadas, ou seja, é necessário refazê-lo logo após sua chegada. Assim, as matérias que efetivamente frequentei foram: Francês A1, Economia Política, Introdução ao Estudo do Direito (IED), Direito Constitucional Português.

Dentre estas particularmente gostei muito de IED, matéria que apresenta questões não suscitadas aqui, como por exemplo a divisão da doutrina jus positivista em jus positivismo alemão, francês e britânico. Porém, ao final das aulas, obtive muitos problemas com as matérias anuais (IED e Direito constitucional Português) que não consideraram meu período de mobilidade marcando provas para períodos onde eu não poderia fazer as provas, como de fato ocorreu. Inclusive conversei via e-mail institucional com a professora de IED que falou que remarcaria minha prova, porém não o fez. No caso de constitucional o fizeram as vésperas de minha viagem, o que também impossibilitou a realização desta, porém a professora foi mais solícita com minha situação.

No geral a experiência foi fantástica, o contato com outras culturas, a sociedade justa, com preços justos, segura e com um qualidade de vida inexplicável cativa e acaba por deixar saudades. Morar em Portugal também permite conhecer vários lugares da Europa por preços justos, uma vez que, as companhias "lowcost" oferecem preços competitivos, e se comprados com antecedência pode chegar a paga 10 Euros por uma passagem de ida e volta para a França por exemplo.

Portanto, o saldo final é bem positivo, adquirir novos conhecimentos com enfoques diferentes aos dados aqui, paisagens fantásticas, amadurecer por viver sozinho em outro país, e vivenciar uma sociedade que como qualquer outra tem seus problemas (como por exemplo o machismo e a xenofobia), porém de forma geral muito mais justa e segura