2012- Beatriz Hlavai Mattos - Direito

Escolhi vir para Coimbra pelo renome da Universidade. Na época não sabia nada sobre Portugal, tampouco da cidade. Assim que cheguei me surpreendi com o tamanho do lugar. Eu que nasci e sempre vivi em São Paulo tive que me desacelerar e aprender a viver em uma cidade com menos de 150 mil habitantes. Tem sido incrível, o curso e a experiência de morar fora. Destaquei abaixo algumas dicas básicas, mas acho que a melhor dica de todas é que você encare essa experiência aberto para o novo e o diferente. Não importa o quanto você se informe sobre o local e experiências anteriores, cada intercâmbio é único. Você sempre volta diferente de uma viagem. Morando fora você aprende e se transforma, todos os dias.

Alojamento: Os primeiros dias foram explorando o local, caminhando à procura de uma casa. Reservei uma semana de hostel, tempo mais do que suficiente para achar um lugar para morar. Em Coimbra é possível alugar um apartamento ou apenas um quarto em uma residência. Achei mais prática a segunda opção, pois não tenho que me preocupar com a ligação de internet, água, luz e gás. Além disso, normalmente não há contrato nessas residências que alugam quarto, o que deixa tudo mais simples na hora de ir embora. Aluguei um quarto em um apartamento com 10 dormitórios e 3 banheiros. Aqui o valor do aluguel é 180 euros e já estão incluídas as contas de água, luz, gás, internet e faxina uma vez por semana. Existem pela cidade opções mais baratas e mais caras. Por 130 euros é possível alugar um quarto duplo e por 700 euros é possível alugar um apartamento sozinho, ou seja, há opções para todos os gostos e bolsos. Tudo é uma questão de avaliar quais as suas prioridades e qual o dinheiro disponível para tal fim. É possível ter privacidade e conforto total em um apartamento só seu (existem alguns bem legais na Cruz de Celas); arrendar um quarto em uma pensão (onde o dono também mora na casa – existem várias, principalmente para meninas, perto da Praça da República); arrendar um apartamento com amigos (o bairro Sé Nova é uma boa opção); ou arrendar um quarto em uma casa ou apartamento estudantil (eu moro na Rua Antero de Quental, onde existem diversas opções). Viver em uma casa com muitas pessoas tem muitas vantagens, mas também muitas desvantagens, como qualquer uma das opções acima, o importante é avaliar qual o seu perfil. Quanto mais gente, mais companhia e festas e menores os gastos com habitação, mas também há mais bagunça, barulho e menos privacidade. A experiência de dividir a casa com muitas pessoas me ensinou muito, além de ser um bom jeito de fazer amigos, já que você nunca está sozinho.

Universidade: Ao chegar você precisa ir ao DRI (Diretório de Relações Internacionais) avisar que já está na cidade. O DRI é dentro do Polo I da Universidade, ao lado direito da Estátua do Dom Diniz, é só perguntar, todo mundo sabe.

Depois, se seu curso for Direito, você precisa ir conversar com a Dra. Silvia, que trabalha no setor de Relações Internacionais da Faculdade de Direito. A sala dela é dentro da Faculdade de Direito, é só perguntar nos Serviços Acadêmicos (também dentro da Faculdade, mas mais fácil de achar) que eles explicam onde é. Com ela você vai formalizar a matrícula e a grade de matérias a cursar. É possível trocar as matérias escolhidas no momento da candidatura para o programa de intercâmbio do COI.  Além disso, podemos fazer cursos de línguas, de graça, na Faculdade de Letras, é só conversar com o coordenador de cada língua. Eu fiz Italiano I e II e gostei muito.

Cursei 3 disciplinas por semestre, na Faculdade de Direito, fora o Italiano e algumas matérias da Faculdade de Psicologia (como Psicologia Forense, por exemplo). Não recomendo a ninguém cursar mais de cinco matérias. Primeiro porque aqui as matérias têm aulas práticas e teóricas, o que faz aumentar muito a carga horária semanal, além disso, quando vamos morar sozinhos temos responsabilidades que não tínhamos em casa, como ir ao mercado, cozinhar, cuidar das roupas, da casa.. enfim, seu tempo será ocupado com essas coisas também. Não se esqueça também que você vai querer viajar nos finais de semana e feriados, por isso, cursar muitas matérias pode ficar bem pesado.

O sistema de avaliação depende do professor. A regra é que não há controle de presença, sendo aplicada uma avaliação única, ao final do semestre. Para alunos de intercâmbio, a maioria dos professores adianta as provas pra que a gente possa voltar pra casa antes, é só uma questão de conversar. Além disso, alguns professores adotam como opção o sistema de avaliação repartida, onde há controle de presença e duas provas no semestre. Nesse caso, os alunos que tenham interesse pela avaliação repartida se inscrevem junto aos serviços acadêmicos.

Aqui todos os professores foram muito cordiais sempre e permitiram que eu adiantasse todas as minhas provas finais e assim tivesse mais tranquilidade para viajar no final do semestre. A Universidade é excelente, referência mundial, mas não é um bicho de sete cabeças, qualquer mackenzista tem plenas condições de acompanhar às aulas, desde que tenha o mínimo de disciplina e força de vontade.

Visto: A obtenção do visto é muito simples. É só seguir as orientações contidas no site do Consulado português. É necessário enviar um cheque referente à taxa administrativa por eles cobrada, uma série de documentos que comprovam que você tem capacidade para custear sua estadia no país e a aceitação da Universidade. Depois disso você é convocado para uma entrevista bem simples e volta em 10 dias (mais ou menos) para buscar o visto. Não tem erro. Ao chegar aqui é necessário ir à Loja do Cidadão, que fica na Baixa, avisar que chegou e dar entrada no pedido do Título de Residência, que é válido por todo o período do intercâmbio, diferente do visto que tem a validade de 120 dias.

Clima: Portugal é um dos países mais quentes da Europa. Quando cheguei em agosto, passei muito calor. Algo em torno dos 35 graus. Mas o inverno é bem úmido e frio. Peguei menos 4 graus e muita chuva em Coimbra, principalmente em novembro e abril. Nada insuportável. Guarda chuva, bota e casaco resolvem. Se não tiver bons casacos, deixe pra comprá-los aqui, são bem mais baratos e existem muito mais opções do que no Brasil. Além disso, em meados de novembro, comprei um aquecedor para o meu quarto (existem vários modelos, que variam de 10 a 50 euros).

Pontos Turísticos: Conheci Portugal de carro, e recomendo. Existem várias empresas lowcost que alugam carros por preços super convidativos (algo em torno de 12 euros por dia, com seguro). O país é bem pequeno, as estradas são ótimas e bem sinalizadas. Vale a pena juntar um grupo e se aventurar pelas cidades pequenas e charmosas. Gostei muito de Guimarães, Porto, Aveiro, Cascais, Sintra, Lisboa, Évora e Algarve. Em 2012 Guimarães foi eleita a capital europeia da cultura, por isso vários eventos interessantes estão acontecendo por lá. Vale a pena dar uma olhada na programação. Além disso, sempre tem a opção de viajar de ônibus [autocarro para os portugueses] (Rede Expressos é a principal empresa em Portugal - http://www.rede-expressos.pt/) ou de trem [comboio] (www.cp.pt).

Gastos mensais: Como tudo, o valor gasto por mês depende do estilo de vida que você pretende e pode ter. Conheço pessoas que vivem bem com 400 euros por mês e outras que gastam 800 euros só de aluguel. Eu vivo bem e viajo com 700 euros. Gasto 180 euros de aluguel (com contas de gás, luz, água, internet, faxina inclusas), 150 euros de supermercado (faço quase todas as refeições em casa – se você optar por comer nas cantinas da Universidade irá gastar 2,40 euros por refeição), 15 euros de celular [telemóvel] (incluído plano de ligações para o Brasil) e 45 euros academia. O resto do dinheiro é gasto com compras, viagens, lazer. Sair em Coimbra é muito barato. Um chopp (eles chamam de fino ou imperial), por exemplo, custa 1 euro.

Bom, acho que isso é o essencial. Qualquer outra dúvida fique a vontade para me escrever no e-mail: hlavai@hotmail.com. Aproveite ao máximo e tenha certeza de que você nunca perde quando se dá a chance de conhecer o diferente, nem que seja para ter certeza que estava no caminho certo.

Boa sorte.

Beatriz