Universidade

Por que cursar Engenharia de Materiais no Mackenzie?

Formação tradicional nas áreas de materiais e exploração no ramo da Nanotecnologia são diferenciais 

11.11.202012h52 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

Na época da escola, você era aquele aluno que adorava as aulas de Física e Química? Então, provavelmente, você tenha interesse na faculdade de Engenharia de Materiais, que lida com a criação e produção de matéria-prima, por meio de processos químicos.

Com 28 anos de história, o curso de Engenharia de Materiais, da Escola de Engenharia (EE) da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), campus Higienópolis, proporciona conhecimento detalhado de todas as características, propriedades e aplicações de diferentes tipos de materiais. Conversamos com o coordenador Renato Meneghetti Peres sobre o curso e seus diferenciais, confira abaixo!

1. Formação em diferentes áreas

A grade curricular conta com metais, polímeros e cerâmica, áreas tradicionais do curso, e com o que há de mais moderno, como o Grafeno. 

2. Estudo em Nanotecnologia

A área é apontada como promissora e, por isso, é fortemente explorada nas aulas, laboratórios e no MackGraphe. Aqui, o estudante encontra infinitas possibilidades, incluindo a associação de polímeros, cerâmicos e metálicos com a Nanotecnologia e também aplicação de nanocompósitos, filmes finos e materiais fotônicos.

3. Primeiro Centro de Pesquisa dedicada totalmente ao Grafeno da América Latina

O aluno de Engenharia de Materiais tem a experiência com o estudo do Grafeno dentro do Centro de Pesquisa e observa, em um ambiente tecnológico, a ciência sendo aplicada na prática. “Essa visão contribui muito na formação do profissional e lhe permite o desenvolvimento de habilidades que serão aplicadas em qualquer segmento que o aluno for atuar depois de formado”, diz o coordenador.

4. Aulas em laboratórios

Os alunos possuem acesso a diversos laboratórios, desde os básicos como Física, Química e Fenômenos de Transporte, até os específicos como Metalografia, Fundição, Processamento de Materias Cerâmicos, Tecnologia de Plasma, Microscopia Eletrônica e outros. “Nós acreditamos que os laboratórios são fundamentais para consolidação do conhecimento. E, nestes ambientes, o aluno é o protagonista!”, completa o Peres.

5. Professores Mestres e Doutores

O corpo docente do curso é formado quase que em sua totalidade por Mestres e Doutores, com grande experiência profissional e participantes de estudos em variadas áreas de Engenharia de Materiais. “Essa combinação de visão profissional e pesquisa proporciona ao aluno o compartilhamento de vivências que são importantes no início de carreira”, afirma ele.

6. Inserção no campo da pesquisa e extensão

Durante a graduação, os estudantes desenvolvem atividades práticas, incluindo projetos integradores. O principal objetivo desse projeto é fazer o aluno atuar e interagir com casos reais da área da Engenharia. O Mackenzie tem ainda o Mackpesquisa, que oferece bolsas de iniciação científica, no qual os trabalhos são feitos dentro dos laboratórios e do MackGraphe. 

7. Mackenzistas reconhecidos no mercado de trabalho

Engenheiros de Materiais formados pelo Mackenzie ocupam cargos de destaque em grandes indústrias multinacionais brasileiras e do exterior. Há também profissionais renomados na área da pesquisa.

8. Possibilidade de estudar no período noturno

A UPM oferece o curso com aulas à noite, o que permite ao estudante desenvolver projetos e tarefas durante o dia ou atuar no mercado, por meio do estágio, desde o início da graduação. A experiência no período noturno contribui com a alta taxa de efetivação no final do curso, segundo o coordenador.