Comitiva canadense ao lado das autoridades mackenzistas
Mundo

Canadá no Mackenzie

Comitiva composta por embaixador e consulesas visitam Universidade para estreitar relações

20.09.201810h06 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

Comitiva composta por embaixador e consulesas visitam Universidade para estreitar relações

A Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) campus Higienópolis recepcionou, em 19 de setembro, comitiva canadense composta por Riccardo Savonne, embaixador do Canadá no Brasil; Fernanda Albano, comissária de Comércio (Educação) no Consulado Geral do Canadá em São Paulo; e Élise Racicot, Cônsul Comercial. Os membros da comitiva foram recebidos por Benedito Guimarães Aguiar Neto, reitor da UPM, com o intuito de estreitar relações entre o Mackenzie e outras instituições de ensino daquele país, visando intensificar o projeto de internacionalização do ensino universitário. José Inácio Ramos, presidente do Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM), também acompanhou a visita, analisando oportunidades de estreitamento das relações em outras frentes.

Aguiar Neto pontuou que o Canadá é hoje um país de grande interesse dos alunos mackenzistas e que por essa razão “estamos listando algumas grandes universidades de lá, algumas as quais já conhecemos de perto, para desenvolver convênios e colaboração efetiva com a intermediação da embaixada canadense do Brasil, para alcançar um incremento da mobilidade acadêmica internacional”.

O reitor da UPM disse ainda que o desenvolvimento de projetos conjuntos e de parcerias devem se caracterizar, sobretudo, por meio de publicações conjuntas de pesquisadores de ambas universidades. “Acreditamos que o futuro é muito promissor, a Universidade Mackenzie está de portas abertas e, como foi colocado, o Canadá também tem interesse em interagir de forma mais efetiva conosco. Estamos bastante otimistas!”, completou.

De acordo com Savonne, o encontro foi muito produtivo, vez que o Canadá sempre procura parcerias com escolas que tenham visão internacional. “Acreditamos que o Mackenzie é uma instituição de ensino de alta qualidade, com potencial para ser um bom parceiro. O encontro com o reitor Benedito, o presidente Inácio e outros colegas do Mackenzie deixou claro para a embaixada que temos aqui muito potencial”, disse ele.

Segundo contou Maria Campos Lage, da Coordenadoria de Cooperação Internacional e Interinstitucional (COI) da UPM, também presente na reunião, recentemente, o Mackenzie foi a universidade não pública que mais enviou alunos para estudar fora do Brasil pelo Ciências sem Fronteiras. “O que demonstra o grande interesse de nossos alunos pelo projeto de internacionalização cada vez mais amplo que desenvolvemos”, colocou ela.

O embaixador destacou, ainda, que hoje o Canadá é o país que mais recebe brasileiros para estudar e que essa é uma nova tendência, sendo que até poucos anos atrás eles recebiam mais chineses e indianos. “Somos atrativos pela qualidade do ensino, de vida e pelo nosso ambiente aberto a qualquer sociedade e cultura do mundo. Os brasileiros se sentem em casa no Canadá. É um lugar seguro, com ótimo custo-benefício. Além de ter história muito similar ao Brasil, pois somos países de povos indígenas e de imigrantes”.

Relações

Para Ramos, presidente do IPM, além da Universidade Mackenzie, o Canadá passa a ser um parceiro importante também para a Educação Básica, para a Middle e High School. “Nossos alunos têm grande interesse neste país, alguns querem estudar e voltar e outros desejam até fixar residência ali. Além de ser um parceiro comercial importante para o Brasil, o Canadá se constitui hoje num excelente parceiro no segmento estudantil”.

Savonne comentou que já existem algumas iniciativas em escolas brasileiras que utilizam o currículo canadense para preparar seus alunos. “Todo o Ensino Médio (High School) é estadual no Canadá, e as instituições que se adequam aqui podem enviar seus alunos preparados para dar continuidade aos estudos lá. Disponibilizamos até mesmo Educação a Distância online para dupla titulação destes estudantes”.

Solano Portela Neto, da Diretoria Operacional de Educação Básica (DIREB) do IPM, aproveitou a oportunidade para ressaltar que os Colégios Presbiterianos Mackenzie (CPM) já possuem currículos de dupla titulação para os alunos que desejam estudar no exterior e que a aproximação com o Canadá pode significar, no futuro, uma nova fase, abrindo ainda mais portas aos alunos mackenzistas.

Um pouco de Brasil e de Canadá

Paulo Batista Lopes, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da UPM, que já teve oportunidade de estudar no Canadá, comentou que o local possui sociedade multicultural, formada por uma forte corrente imigratória, e que ao longo de sua história decidiu apostar em tecnologia sem se esquecer de preservar a herança cultural de todos os povos que enviaram imigrantes para lá.

“Eles possuem um sistema educacional admirado no mundo todo; as universidades têm uma certa liberdade, mas, abaixo delas, todo o ensino é regulado pelas províncias”, conta o pró-reitor, que destaca similaridades com a visão do Mackenzie. “Também temos nossa herança nos imigrantes e vemos com bons olhos a capacidade de conseguir manter as raízes, as tradições, juntamente a renovação e inovação para o futuro”.

Quanto à comparação com o Brasil, Lopes enfatiza que o planejamento do futuro é muito importante. “O que a sociedade vai ser em 50, 100 anos, onde estará economicamente e como governo? O Canadá tem se posicionado muito bem e o Brasil precisa acompanhar esse tipo de decisão e previsão, tomá-las como exemplo”, completa ele.

Estiveram também presentes no encontro: Marili Moreira da Silva Vieira, da Pró-Reitoria de Graduação e Assuntos Acadêmicos (PRGA); e Jorge Alexandre Onoda Pessanha, da Pró-Reitoria de Extensão e Educação Continuada (PREC).