Alunos dos colégios Mackenzie se destacam no vestibular

Como os Colégios Mackenzie auxiliam na aprovação dos alunos em vestibulares conceituados

22.03.201716h13 Comunicação - Marketing Mackenzie

Compartilhe nas Redes Sociais

As unidades do Colégio Presbiteriano Mackenzie de Higienópolis, Tamboré e Brasília tiveram um grande número de alunos aprovados nos vestibulares mais conceituados do país, gerando intensa satisfação à Instituição e, principalmente, ao corpo docente.

As aprovações foram significativas: No colégio de Higienópolis, 90 alunos ingressaram na faculdade logo após o fim do Ensino Médio; no Tamboré fora 83 aprovados e no colégio de Brasília 62 alunos foram admitidos em universidades, sendo 41 na UnB e Federais, provando que o ensino do Mackenzie gera resultados expressivos na formação dos estudantes.

Amanda Nascimento Coutinho, antiga aluna do Colégio Presbiteriano Mackenzie de Tamboré passou em dois vestibulares bastante concorridos: Engenharia na Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e Biologia na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Ela conta que o Grupo de Estudos Avançados (GEA) e o Grupo de Estudos para as Olimpíadas (GEO) contribuíram muito para sua formação e no preparo para o dia oficial do exame, com aulas à tarde e simulados, além da grade curricular normal pela manhã. “O Mackenzie é uma escola que forma pessoas para o mundo, não só mais um vestibulando. Dessa forma, o apoio dos professores, os eventos sociais e, claro, todo o aprendizado foram influências muito fortes nessa conquista”, conta.

Já Gabriel Weichert, também do Mackenzie Tamboré, foi aprovado na FUVEST, ingressando no curso de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP. “O Mackenzie sempre me proporcionou uma estrutura muito boa, com diversas comunidades de estudos avançados, além de professores altamente qualificados e ótimos espaços para estudo, como a biblioteca”, explica. Gabriel conta também como foi incentivado pelos professores e como eles proporcionaram atividades que complementaram sua formação, como a Confederação Mackenzie (ConfeMack), um fórum de debates estudantil, e a ExpoLab, exposição de atividades e experimentos em Física, Química e Biologia, que, segundo ele, o motivou em momentos difíceis.

Julia Monteiro de Almeida concorda com esse incentivo recebido por Gabriel. A antiga aluna do colégio de Higienópolis conta que sempre planejou cursar o ensino superior fora do país, e que sem o apoio que teve na escola não teria atingido seu objetivo. “Fui aprovada pelo ENEM em Arquitetura na Universidade de Coimbra e na Universidade do Minho, porém escolhi estudar em Coimbra. Foi muito animador ver que fui aceita em ambas universidades, sou muito grata pelos ensinamentos que recebi do Mackenzie”, relata Julia.